Minha linda!

Um dia a festa termina e recomeça
As pessoas se redescobrem
Morrem e nascem
Acham e perdem-se,
No carlor e mormaço
Desses dias itensos.

Dias passam
Em reduzidos espaços
Dias passam
A anos luzes de seus olhos;
Eu fico me achando
No rastro desse olhar.

Eu fico me perdendo e
Achando-me sempre;
Perdendo e achando!
Perdendo-me no vazios do ócio
Achando-me em seus braços,
Minha linda!

1 comentários:

Oficineiro disse...

A cada dia seus poemas ganham mais maturidade, diria até toques de "delicadeza", um olhar que encherga mais além. A festa sempre haverá, terminando e recomeçando em cada um de nós. Sua poesia recomeçou, agora mais poética do que nunca. Lembra o estilo barroco. Parabéns!!!

Postar um comentário